Um menino coloca flores na cerca ao lado da Prefeitura de Crocus, no extremo oeste de Moscou, Rússia, no sábado, 23 de março de 2024, após um ataque na sexta-feira, pelo qual o grupo Estado Islâmico assumiu a responsabilidade.  Autoridades russas dizem que mais de 90 pessoas foram mortas por agressores que invadiram uma sala de concertos e dispararam contra a multidão.  (Foto AP/Vitaly Smolnikov)

Aleksandra Chanysheva está convencida de que a falta de segurança foi o que tornou possível o ataque de sexta-feira à noite a uma sala de concertos a noroeste de Moscovo.

“Os guardas são as pessoas mais ridicularizadas e mal pagas na Rússia”, disse à Al Jazeera o professor de língua e literatura russa de 51 anos numa escola pública. “E eles fazem seu trabalho da pior maneira possível.”

O ataque à Prefeitura de Crocus matou pelo menos 115 pessoasincluindo três crianças, e feriu mais de 120 pessoas, disseram investigadores russos no sábado.

Vários homens fortemente armados e vestindo camuflagem atiraram em uma multidão de espectadores que se reuniam para ouvir a banda de rock da era soviética Picnic, incendiaram o prédio e escaparam em um “Renault branco”, disseram autoridades.

Alguns especialistas concordam com Chanysheva – dada a história de ataques letais da Rússia pós-soviética a locais públicos lotados, que remonta a quando Moscovo iniciou a segunda guerra chechena, há um quarto de século. Mas outros analistas e grupos de oposição russos argumentam que não pode ser descartada uma possibilidade ainda mais sombria: apontam para potenciais ganhos políticos para o Presidente Vladimir Putin com o massacre de sexta-feira.

No final da década de 1990, separatistas e combatentes chechenos da região do Norte do Cáucaso, maioritariamente muçulmana, lançaram uma onda de ataques, tomando salas de concerto, hospitais e escolas públicas; enviar homens-bomba ao extenso sistema de metrô de Moscou; e detonação de explosivos em ônibus e aviões.

O ataque de sexta-feira “demonstrou a impotência total” dos serviços especiais da Rússia, da guarda nacional e de todo o sistema de aplicação da lei, disse Nikolay Mitrokhin, pesquisador da Universidade de Bremen, na Alemanha, à Al Jazeera.

Os serviços de inteligência receberam repetidos avisos do Ocidente – incluindo um alerta público dos Estados Unidos em 8 de Março.

“A Embaixada está monitorando relatos de que os extremistas têm planos iminentes de atingir grandes reuniões em Moscou, para incluir concertos, e os cidadãos dos EUA devem ser aconselhados a evitar grandes reuniões nas próximas 48 horas”, escreveu a missão do país em Moscou no X.

Mas dias depois, em 19 de março, o presidente russo Vladimir Putin desprezou esse aviso sobre possíveis ataques em Moscou e descreveu-os como “chantagem”.

Um novo e abrangente sistema de reconhecimento facial em Moscovo, que tem sido amplamente utilizado para identificar manifestantes da oposição, também não conseguiu impedir o ataque de sexta-feira.

E as autoridades levaram uma hora e meia para enviar forças especiais para o local no subúrbio de Krasnogorsk, em Moscou, devido aos intensos engarrafamentos.

“Onde estão os helicópteros para uma rápida implantação em locais críticos nas condições metropolitanas de Moscou? Onde estão os veículos armados? Onde estão esses caras severos dos vídeos (promocionais)? Mitrokhin perguntou.

“Sabemos onde eles estão – incendiados com os seus veículos nas estradas da região de Kiev, sentados em buracos subterrâneos perto de Donetsk ou patrulhando a região de Luhansk… não onde está o perigo real, mas foi aí que o presidente maluco decidiu travar uma guerra”, afirmou. ele disse.

Um menino coloca flores em uma cerca ao lado da Prefeitura de Crocus, no extremo oeste de Moscou, Rússia, no sábado, 23 de março de 2024, após um ataque pelo qual o grupo ISIL assumiu a responsabilidade (Vitaly Smolnikov/AP Photo)

ISIL reivindica responsabilidade

O Braço afegão do ISIL/ISIS – conhecido como Estado Islâmico na província de Khorasan ou ISIS-K – assumiu a responsabilidade pelo ataque através do canal Telegram da Amaq, um meio de comunicação afiliado ao grupo.

Afirmou que os seus combatentes atacaram “uma grande reunião de cristãos”, matando e ferindo centenas e causando “grande destruição” antes de se retirarem “com segurança”. O ISIS-K está a travar uma guerra contra o movimento Taliban que tomou o poder no Afeganistão após a retirada das forças dos EUA em 2021.

Embora Moscovo ainda liste os Taliban como um “grupo terrorista”, intensificou os contactos com eles, acolhendo os seus emissários em Moscovo e em conferências de segurança regionais.

Os EUA disseram que a sua inteligência apoia a reivindicação de responsabilidade do ISIL pelo ataque.

Mas nem os meios de comunicação controlados pelo Kremlin nem os opositores de Putin estão tão convencidos.

ARQUIVO - Nesta foto divulgada pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia na terça-feira, 19 de março de 2024, um tanque russo dispara contra tropas ucranianas de uma posição perto da fronteira com a Ucrânia, na região de Belgorod, na Rússia.  Os militares russos afirmam ter infligido perdas massivas às forças ucranianas que lançaram ataques transfronteiriços na região.  (Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia via AP, Arquivo)
Um tanque russo dispara contra tropas ucranianas de uma posição perto da fronteira com a Ucrânia, na região de Belgorod, na Rússia, na terça-feira, 19 de março de 2024 (Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia via AP)

Rússia aponta o dedo à Ucrânia

“Essas alegações podem ser uma falsa cortina de fumaça e precisam de uma verificação completa”, de acordo com um editorial do Moskovskiy Komsomolets, um tablóide pró-Kremlin, publicado no sábado.

O político Alexander Khinstein afirmou que na manhã de sábado a polícia russa parou um carro com supostos agressores na região oeste de Bryansk, que faz fronteira com a Ucrânia e a Bielo-Rússia.

Dois suspeitos foram detidos após um tiroteio e os passageiros restantes fugiram para a floresta, afirmou ele em Telegrama.

Passaportes tadjiques foram encontrados no carro junto com uma pistola e munição, afirmou ele, citando fontes policiais. O Tajiquistão faz fronteira com o Afeganistão e os seus residentes falam uma língua relacionada com o farsi.

Na tarde de sábado, em Moscovo, o Serviço Federal de Segurança da Rússia, mais conhecido como FSB, afirmou ter deteve 11 homensincluindo quatro supostos agressores. Dizia que iriam atravessar para a Ucrânia, onde tinham “contactos”.

Em resposta, um think tank ucraniano culpou os serviços especiais russos. Eles organizaram o ataque “para culpar a Ucrânia e encontrar uma desculpa para uma nova mobilização na Rússia”, disse o Centro Ucraniano de Combate à Desinformação num comunicado citado pela agência de notícias UNIAN, sediada em Kiev, no sábado.

Fogo e fumaça sobem de um prédio de apartamentos destruído enquanto oficiais e bombeiros do Ministério de Situações de Emergência da Rússia tentam salvar pessoas em Moscou, nesta quinta-feira, 9 de setembro de 1999, foto quando uma grande explosão destruiu um prédio de apartamentos de nove andares.  Na esperança de envergonhar o governo e levá-lo a ordenar uma investigação, um pequeno partido liberal exibiu na terça-feira a estreia russa de um filme alegando que o serviço secreto organizou quatro atentados a bomba em 1999 que ajudaram a desencadear a segunda guerra na Chechênia em Moscou e catapultar Vladimir Putin para a presidência.  (Foto AP/Ivan Sekretarev)
Fogo e fumaça sobem de um prédio de apartamentos destruído enquanto oficiais e bombeiros do Ministério de Situações de Emergência da Rússia tentam salvar pessoas em Moscou, em 9 de setembro de 1999, quando uma grande explosão destruiu um prédio de apartamentos de nove andares. A Rússia atribuiu uma série de ataques desse tipo aos rebeldes chechenos no final da década de 1990 (ARQUIVO: Ivan Sekretarev/AP Photo)

Memórias da sombria década de 1990 da Rússia ressurgem

Outros especialistas independentes também questionaram as sugestões sobre a responsabilidade do ISIL pelos ataques.

“Muito provavelmente, os serviços especiais russos sabiam (do ataque) de antemão e, possivelmente, direcionaram-no para atingir objetivos políticos – para possivelmente desacreditar a Ucrâniajustificar uma nova onda de mobilização e apertar os parafusos em geral”, disse Alisher Ilkhamov, chefe da Due Diligence da Ásia Central, um think tank em Londres, à Al Jazeera.

“Basta fazer uma pergunta – quem será beneficiado? Tenho algumas dúvidas de que o EIIL tenha quaisquer interesses sérios na Rússia”, disse ele.

Putin, por outro lado, ganha com o ataque, disse Ilkhamov. “Tornar-se vítima do EIIL é despertar simpatias em todo o mundo. Isto é uma espécie de (truque) de relações públicas para melhorar a reputação internacional (da Rússia). Portanto, há uma série de benefícios para o regime de Putin”, disse ele.

“É claro que isso custou a vida dos seus cidadãos – nos quais ele cospe.”

Por mais conspiratórias que estas sugestões possam parecer, estão enraizadas no que muitos críticos de Putin alegam ser uma história de potenciais operações de bandeira falsa usadas pelo presidente russo para fortalecer a sua posição política.

Putin, um ex-espião na Alemanha que chefiou brevemente o FSB, foi nomeado primeiro-ministro em 1999. Meses depois, explosões em edifícios de apartamentos mataram dezenas de pessoas. O Kremlin culpou os separatistas chechenos e usou os ataques como pretexto para iniciar a Segunda Guerra Chechena: os índices de aprovação de Putin dispararam e abriram caminho para a sua primeira eleição como presidente em 2000.

O ex-oficial fugitivo do FSB Alexander Litvinenko afirmou que Putin ordenou os ataques. Putin chamou-o repetidamente de “traidor” e, em 2003, Litvinenko teve uma morte agonizante no Reino Unido, depois de ser envenenado com polônio radioativo. O Reino Unido disse que Putin “pode ter estado” por trás do assassinato.

Um grupo de oposição russo também se referiu ao final da década de 1990 para sugerir que a participação do próprio Putin nos assassinatos de Moscovo não poderia ser descartada.

“Lembramo-nos de como o regime de Putin e os seus serviços especiais abriram o caminho para a Segunda Guerra Chechena”, disse num comunicado o Fórum para a Rússia Livre, uma aliança de activistas da oposição exilados.

“É altamente possível que este ataque terrorista tenha sido organizado pelos serviços especiais russos. Se for assim, então podemos certamente esperar que a responsabilidade por este ataque será atribuída aos ucranianos ou à oposição armada russa”, afirmou.



Fuente