Os 400 duelos de Marcelino na Liga

Centão, sem querer, Marcelino García Toral Já se tornou um clássico nas bancadas do futebol espanhol. Aquele jovem de Careñes que realizou o sonho de ser jogador de futebol de primeira linha com seu Esportivoe que viu como uma lesão grave o obrigou a trocar a grama pelos bancos mais cedo, cumprirá neste final de semana em Vigo400 jogos como treinador de primeira divisão.

Choveu muito desde que o asturiano estreou como treinador da Primeira Divisão, em 27 de agosto de 2006. Ele fez isso como treinador de um Recreativo com quem havia conseguido promoção meses antes. Naquela tarde eles empataram (1-1) contra Maiorca. Uma semana depois, em sua primeira viagem, viria sua primeira vitória. Precisamente no estádio onde, ao longo dos anos, esteve a maior parte das vezes como treinador da Primeira Divisão. Com um pouco do empréstimo Santi Cazorlaum de seus jogadores de futebol favoritos, conquistou a vitória em Aldeia Real. Seria o primeiro do 165 que ao longo dos anos se acumulou na categoria.

Em sua primeira experiência na Primera com o reitor eu gosto 38 jogos, uma temporada completa que foi um sucesso. Como seria um ano depois com o Corrida de Santanderonde classificou os cantábricos para o Uefa, confirmando-se como um dos técnicos com mais futuro no futebol nacional. Apesar disso, suas próximas duas experiências seriam frustrantes. Em Saragoçaapós ser promovido, foi demitido pela primeira vez na carreira após 14 partidas em primeiro lugar. Ele não se saiu muito melhor em Sevilha, onde assumiu pela primeira vez o comando de uma equipa com aspirações europeias. Durou apenas 21 festas.

Embora tenha tomado a firme decisão de não voltar a treinar na Segunda Divisão, um ano depois aceitou o desafio proposto pelo Villareal. Isso mudou sua carreira. Após assinar a terceira promoção à Primera, em sua primeira etapa amarela dirigiu 134 partidas na categoria mais alta. Neles obteve duas classificações para Liga Europa e outro para Liga dos Campeões. Com os amarelos conquistou o quarto lugar na Liga e nas semifinais da Liga Europa. Apesar de sua saída complicada do clube O apartamentoo asturiano ingressou no seleto clube de técnicos com pedigree para treinar times importantes.

Copa, com o Valência; e Supercopa, com o Atlético

Em Valência daria mais um passo ao conquistar seu primeiro título. Foi na final de copa é da temporada 2018-19quando ele se impôs Barcelona de Messi por 1-2 no fim. Um título que foi o começo do fim como treinador alvinegro depois Pedro Lima parabenizá-lo por qualificar a equipe para o Campeões, “mas não para a Copa.” No clube Peru acumulado 79 mais partidas na Primeira Divisão.

Mais tarde, ele dirigiu o Atlético por uma temporada e meia. Uma experiência que lhe deixou um profundo sentimento de carinho pela equipa basca que nunca escondeu. Ele ficou com o espinho nas duas finais de copa derrotas e a alegria de um novo título, o Supertaça em Arábia.

Experiência na França

Depois de uma vasta experiência em Espanha, no início desta temporada Marcelino aceitou um novo desafio: saltar para outra liga. Ele foi para Olímpico de Marselha do seu bom amigo Pablo Longoriapresidente do clube Costa Azul. Os problemas com a complexa e perigosa torcida francesa precipitaram sua saída.

Uma porta se fechou e outra se abriu. Aquele de voltar para LaLiga vocês todos Villareal. Com o clube O apartamento a partida chegou no fim de semana passado 20 nesta nova era por um total de 399 primeiro. Já superou clássicos da bancada espanhola como Guitarra da paixão, Antonio Barrios ó Diaz Novoaenquanto, se tudo correr bem e ele cumprir seu contrato na próxima campanha, ele entrará no 15 melhores dos técnicos com mais jogos da história na Primeira Divisão. Desta forma, superará um bom número de técnicos, incluindo nomes de prestígio da Radomir Antic, Unai Emery, Maguregui, Lotina, Ricardo Zamora ó Gregório Manzano.

Depois desta nova marca, são poucos os técnicos activos na Primera que superam o asturiano: Aguirre (457 festas), Simeone (469), Pelegrini (475) sim Valverde (511).

Sua ‘guarda pessoal’

Quase duas décadas desde a sua estreia, o asturiano mantém o mesmo núcleo duro que o acompanha desde aquele primeiro dia de 2006 iniciar Recreação. É a dupla inseparável formada por Ruben Uria como segundo e Isma Fernández como preparador físico. Com o passar dos anos o grupo se expandiu, inclusive contando com os próprios filhos do grupo. Marcelino (Sérgio) e de Rubén (Bruno). Trabalho em equipe.



Fuente