Presidente da Republika Srpska (República Sérvia) Milorad Dodik gesticula enquanto os sérvios bósnios protestam contra a resolução sobre o genocídio em Srebrenica, que será adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas no início de maio, em Banja Luka, Bósnia e Herzegovina, 18 de abril de 2024 REUTERS/Amel Emric.

Uma resolução para as Nações Unidas marcar o dia 11 de julho como um dia internacional de comemoração do genocídio de 1995 em Srebrenica deverá ocorrer na quarta-feira.

Atraiu forte oposição dos líderes sérvios, com o presidente sérvio Aleksandar Vucic dizendo que “lutará até o último momento”.

A votação na Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) foi adiada, segundo Zlatko Lagumdzija, representante permanente da Bósnia e Herzegovina na ONU, na sequência dos esforços de lobby de Vucic contra a sua adoção em Nova Iorque.

Iniciada pela Alemanha e pelo Ruanda, a resolução foi co-patrocinada por mais de uma dúzia de países, incluindo os Estados Unidos, França, Países Baixos, Macedónia do Norte, Chile, Irlanda e outros.

Em 2004, o Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPIJ), em Haia, decidiu que os crimes cometidos em Srebrenica, em Julho de 1995, pelas forças sérvias, constituíam genocídio. O Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) manteve esta decisão em 2007.

“O Tribunal estabeleceu, para além de qualquer dúvida razoável, que o assassinato de 7.000 a 8.000 prisioneiros muçulmanos bósnios foi um genocídio”, afirmou o TPIJ.

Oito acórdãos do TPIJ contêm veredictos de culpa por genocídio cometidos contra os bósnios em Srebrenica.

A ONU já declarou dias específicos para a comemoração de genocídios antes – em 2004 para o genocídio em Ruanda e em 2005 para o Holocausto.

Anteriormente, em 2015, o Reino Unido lançou uma resolução em comemoração ao genocídio de Srebrenica no Conselho de Segurança da ONU, mas foi vetada pela Rússia, impedindo a sua adoção.

Aqui está um resumo do motivo pelo qual a votação de uma resolução da ONU aumentou as tensões com a Bósnia e a Sérvia:

O que diz a resolução da ONU?

A resolução condena “qualquer negação do genocídio de Srebrenica”E ações que glorificam os condenados por crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio. Insta os Estados-membros a “preservarem os factos estabelecidos, inclusive através dos seus sistemas educativos”.

Solicita ao secretário-geral que estabeleça um programa de divulgação com atividades e preparativos para o 30º aniversário em 2025.

O documento não menciona o povo sérvio nem a Republika Srpska, a entidade dirigida pelos sérvios na Bósnia.

Por que esta resolução da ONU é importante?

Azir Osmanovic, sobrevivente do genocídio de Srebrenica e curador do Centro Memorial de Srebrenica, explicou a importância da resolução num discurso à ONU este mês.

Relatando a sua experiência assustadora quando criança em Srebrenica durante a guerra, ele disse: “A nossa luta, infelizmente, está longe de terminar. Diariamente, somos sujeitos à negação desenfreada e implacável do genocídio, ao revisionismo histórico e à ameaça de violência renovada.

“O reconhecimento internacional do genocídio de Srebrenica como uma tragédia universal ajudaria a conter esta maré de uma vez por todas e, através da consciência global, garantiria que nenhuma outra comunidade, em qualquer parte do mundo, partilhasse o nosso destino.”

Como reagiram os líderes sérvios?

No início deste mês, Milorad Dodik, presidente da Republika Srpska, e um negador regular do genocídio de Srebrenica, disse que a resolução consiste em “provocações de políticos bósnios e dos seus patrocinadores do Ocidente”, que têm “o objectivo de satanizar o povo sérvio”. .

“Nós, os sérvios, dizemos que não houve genocídio e não aceitamos quaisquer resoluções ou plataformas”, disse ele no X. “Qualquer especulação sobre isso deve ser absolutamente rejeitada”.

Ele também disse à TV Russian 24 no início deste mês que a Bósnia “talvez não sobreviva como um único país”. A adopção da resolução na ONU “apenas complicaria as relações na Bósnia, até ao ponto da disfunção total”, disse ele.

Milhares de pessoas participaram recentemente de um comício realizado em Banja Luka, na Bósnia, neste mês, organizado pelo partido SNSD de Dodik. Vários responsáveis ​​da Sérvia também participaram no evento, incluindo a presidente do parlamento sérvio, Ana Brnabic.

O presidente da Republika Srpska, Milorad Dodik, é fotografado no comício em Banja Luka, na Bósnia, com a presidente do parlamento sérvio, Ana Brnabic (Amel Emric/Reuters)

O Presidente Vucic disse estar preocupado com o facto de os pedidos de reparações de guerra resultarem da adopção da resolução não vinculativa.

Ele escreveu no Instagram que a resolução “abrirá uma caixa de Pandora” e chamou-a de “uma decisão política que levará a novas divisões, à abertura de velhas feridas e à instabilidade na região”.

Ele publicou fotos de Nova Iorque, escrevendo sobre as suas reuniões com representantes permanentes na ONU, incluindo a Rússia e os Emirados Árabes Unidos, e os seus esforços de lobby contra “a hipocrisia dos proponentes da resolução”.

Ele escreveu que um grupo foi formado na Missão da Sérvia na ONU para resolver o problema e serão realizadas reuniões com mais de 120 representantes permanentes na ONU.

O que significa a resolução para a Republika Srpska?

O analista político croata Davor Gjenero disse à Al Jazeera que há fortes razões para haver “medo” na Republika Srpska e na Sérvia.

“A aprovação da resolução poderia lançar um processo que poderia levar ao cancelamento do acordo de paz de Dayton e das entidades que ele criou (Federação e Republika Srpska)”, disse ele.

“A questão do ‘reconhecimento dos resultados do genocídio’ pode de facto ser levantada, e as circunstâncias internacionais e a política irracional de Dodik de duplicar o secessionismo podem levar à anulação de Dayton e ao fim de ambas as entidades.

“Trabalhar com paciência e consideração na ONU pode ser muito importante.”

Mapa da Federação e Republika Srpska Bósnia
Mapa da Bósnia e Herzegovina

O que significa a resolução para a Sérvia?

Nevenka Tromp, professora de estudos do Leste Europeu na Universidade de Amsterdã, disse à Al Jazeera que, com a adoção da resolução, “a Bósnia poderia processar novamente a Sérvia por genocídio”.

A CIJ decidiu em 2007 que não havia provas suficientes para concluir que a Sérvia era responsável pelo genocídio, mas que não conseguiu impedir que acontecesse.

A Bósnia poderá agora encontrar um terceiro país amigo que poderá iniciar um novo processo, segundo Tromp.

Isto não era típico no passado, mas em 2019, a Gâmbia processou Mianmar por genocídio contra Rohingya. A África do Sul lançou recentemente um processo legal contra Israel por genocídio em nome de Gaza.

“A Sérvia está a acompanhar tudo isto com grande nervosismo porque este desenvolvimento significa que a história da responsabilidade pelo genocídio do estado da Sérvia não acabou”, disse Tromp. “Agora o Kosovo também poderia iniciar um processo contra a Sérvia por genocídio no território do Kosovo na década de 1990.

“É claro que, em algum momento, a questão das reparações de guerra também poderá surgir, e não apenas da Bósnia e do Kosovo como Estado, mas também daqueles que sobreviveram ao genocídio, bem como das famílias das vítimas do genocídio, também poderão pedir compensação à Sérvia. , nos tribunais da Sérvia.”

Porque é que a liderança política sérvia nega o genocídio de Srebrenica?

Peter McCloskey, antigo procurador do TPIJ, disse à Al Jazeera: “A Sérvia e a Republika Srpska não têm a coragem moral e a força para admitir a verdade estabelecida pelas condenações criminais do TPIJ para Srebrenica.

“Nestes dias e nesta época em que a verdade pode ser escondida através dos meios de comunicação social e da Internet, alguns governos escolheram a saída cobarde, negando os factos estabelecidos e propagandeando para o mundo numa tentativa de conquistar as pessoas assustadas e furiosas nas suas próprias vidas. países que são vulneráveis ​​a essas formas extremas de engano.

“Em vez de liderarem a partir de uma plataforma de falsidades e inverdades, seria melhor que estes países olhassem para dentro, como a Alemanha finalmente fez após a Segunda Guerra Mundial, e lidassem com os horrores que as suas políticas trouxeram ao povo da antiga Jugoslávia. A liderança que assenta numa base falsa e perigosa não é de todo incomum neste mundo, daí a importância da resolução das Nações Unidas que reconhece o genocídio de Srebrenica e condena a negação de Srebrenica.”

Fuente