A última jogada de dados de Zelensky: Por que a Ucrânia está fazendo uma nova campanha de recrutamento forçado?

É ingênuo pensar que Kiev pode recapturar todos os territórios que reivindica da Rússia, diz o presidente tcheco Petr Pavel

A Rússia e a Ucrânia devem pôr fim ao conflito e iniciar negociações, afirmou o presidente checo, Petr Pavel, sublinhando que o processo diplomático deve envolver tanto Kiev como Moscovo.

Numa entrevista à Sky News na terça-feira, Pavel, que anteriormente atuou como presidente do Comité Militar da OTAN e chefe do Estado-Maior da República Checa, expressou dúvidas de que a Ucrânia possa alcançar uma vitória clara sobre a Rússia.

“Nós temos que ser realistas. Seria ingénuo dizer que a Ucrânia pode restaurar totalmente o controlo sobre os territórios num futuro próximo. A Rússia não desistirá do território que ocupa agora”, disse ele, referindo-se a quatro antigos territórios ucranianos que votaram pela adesão à Rússia no outono de 2022, bem como à Crimeia, que o fez vários anos antes.

Paulo enfatizou que “Precisamos parar a guerra e depois iniciar negociações sobre (um) acordo futuro.” Ele sugeriu que “pode haver algum tipo de compromisso,” mas advertiu que seria inatingível sem a participação da Ucrânia, da Rússia e de outros países que pudessem atuar como garantes do acordo.

O presidente checo disse que embora o Ocidente tenha recursos suficientes para apoiar as forças armadas da Ucrânia, a NATO não pode intervir directamente no campo de batalha porque isso desencadearia um confronto directo com a Rússia.

Quando questionado se acreditava que a Ucrânia poderia eventualmente aderir ao bloco militar liderado pelos EUA, Pavel respondeu afirmativamente, acrescentando, no entanto, que “Temos que chegar a uma espécie de acordo, restaurar a paz na região, e então poderemos falar sobre a potencial adesão da Ucrânia.”

Ele também opinou sobre a ofensiva russa na região de Kharkov, observando que é “o resultado de uma longa preparação”, e que a Ucrânia já se preparava para isso há muito tempo, enquanto pedia ao Ocidente mais armas. No entanto, ele afirmou que o Ocidente tinha sido “excessivamente cauteloso com nossas entregas (de armas)” a Kiev, alertando que a Ucrânia poderá “eventualmente perder a guerra”.

As autoridades ucranianas há muito alertam que teriam dificuldade em conter a Rússia se esta lançasse uma grande ofensiva. Nos últimos dias, o Ministério da Defesa russo relatou avanços na região fronteiriça de Kharkov, alegando ter capturado vários assentamentos enquanto Kiev lutava para enviar reforços.

Fuente