Um herói inesperado no ‘inferno’ pode dar ao City outra Premier League

DHá muitas semanas, O Manchester City teve esta partida contra o Tottenham marcada em vermelho no calendário. A grande ‘fera negra’ de Pep Guardiola. Sem ir mais longe, É a equipa contra a qual foi derrotado mais vezes. Essa noite, Só valia a pena vencer se não quisessem deixar o Premier de bandeja para um Arsenal que hoje está mais ‘esporão’ do que nunca. E eles não falharam. Haaland, com um duplo, emergiu como o homem que fará todas as manchetes Na Inglaterra. No entanto, O herói nas sombras acabou sendo Stefan Ortega. Ele entrou em campo aos 70 minutos devido à lesão de Ederson e, com uma Defesa à maneira de Casillas frente a Robben na Copa do Mundo de 2010, faltando cinco minutos para o final, ele selou uma vitória no ‘inferno’ que pode dar ao City outra Premier League.

Nada nem ninguém pode parar o recorde de Rodri

O Manchester City teve que visitar o ‘inferno’ se quisesse vencer a Premier League. Ou, pelo menos, não deixar o título de bandeja para o Arsenal de Arteta. As estatísticas, é claro, não estavam do seu lado. O Tottenham conseguiu vencer os homens de Guardiola (no campeonato) em todos e cada um dos jogos em que se enfrentaram no seu novo estádio. Ele também não conseguiu marcar. Apenas o Birmingham, em Old Trafford, registou piores resultados fora de casa frente à mesma equipa.

Rodrigo Hernández durante a partida contra o Tottenham

No entanto, O Manchester City tinha o antídoto perfeito…e tinha nomes e sobrenomes: Rodrigo Hernández Cascante. Os comandados de Guardiola, com ele em campo, somavam uma sequência de 72 jogos consecutivos sem derrota. Esta noite, num campo amaldiçoado para a equipa ‘cityzen’, marcou 73. Talvez não tenha sido o seu melhor jogo. Mas o que fica evidente neste ponto do filme é que Ninguém consegue derrubar esta equipa com o espanhol em campo.

Haaland quebra a maldição

Tinha que ser Erling Haaland aquele que desequilibrou a balança. Até a data, Ele não conseguiu marcar nenhum gol nesta temporada contra nenhum dos seis melhores times da Premier League. Ele havia permanecido nos dois jogos contra Arsenal, Liverpool, Aston Villa e Newcastle. O Tottenham pode ser o próximo. Seus grandes dias estavam ficando presos para Norueguês. Mas, como um ‘robô’ programado, ele apareceu no momento mais importante para o Manchester City.

Haaland comemorando um de seus gols contra o Tottenham

Um chute e um gol. 100% eficaz para quebrar o ‘azar’ de um Manchester City que nunca havia conseguido marcar (ou vencer) no novo estádio do Tottenham desde que os ‘spurs’ se mudaram na temporada 2019-20. Mal precisou de cinco minutos do segundo tempo para transformar a entrega do setor direito de Kevin de Bruyne, seu melhor parceiro. Então, nos acréscimos, ele marcou sua própria dobradinha de 11 metros. Disseram que ele estava tendo uma temporada ruim… mas faz sentido 25 gols em 29 jogos da Premier. Quase nada.

O amarelo que explodiu o jogo

Ange Postecoglou mais uma vez optou por Rodrigo Bentancur como titular contra o Manchester City devido à perda de Yves Bissouma. O Uruguaio teve um primeiro tempo escandaloso com uma taxa de sucesso de aprovação de 92% (36/39). Ele foi o farol que permitiu ao Tottenham roubar a bola do Manchester City. Aliás, só o Chelsea em 2019 conseguiu assinar mais passes (327) numa primeira parte frente à equipa de Guardiola do que esta equipa do Tottenham (298). A sua, aliás, foi a oportunidade mais clara de todo o primeiro tempo. com um chute da sacada da área.

Bentancur e Foden durante a partida entre Tottenham e Manchester City

No entanto, Uma ação à beira dos 40′ impediu-o de se aproximar da excelência… e condicionou-o excessivamente. Na tentativa de tentar interromper um contra-ataque comandado por Phil Foden, o uruguaio foi para o chão com tudo. Ele só conseguiu passar a bola ou o homem e Chris Kavanagh foi forçado a mostrar-lhe amarelo. A partir daí, ele descaradamente andou com o freio de mão acionado e, Na próxima vez que conheceu Foden, ele teve que deixá-lo seguir em frente. para não ver o vermelho. Nasceu aí o golo com que o Manchester City conquistou a primeira vitória no ‘inferno’. Cinco minutos depois, Postecoglou retirou-o do campo de jogo… e Bentancur quase perdeu a paciência.

De Bruyne deixa Fábregas na sarjeta

Kevin de Bruyne fez sua estreia na primeira partida da Premier League 2023-24 contra o Burnley de seu compatriota e ex-companheiro de equipe Vincent Kompany e mal durou 23′ no campo de jogo. Ele não reapareceu até a 21ª rodada contra o Newcastle e, naquele dia, já conseguiu distribuir a primeira assistência da temporada. 16 jogos depois, o de Ghent Ele alcançou 10 assistências.

De Bruyne durante a partida contra o Manchester City

Além disso, não foi qualquer um. O passe que deu a Erling Haaland para desequilibrar a partida permitiu-lhe chegar aos 112 na Premier League e ultrapassar Cesc Fábregas. À frente, ele só tem um mito como Ryan Giggs. O galês, em 632 jogos no Campeonato Inglês, conseguiu distribuir até 163 assistências. Isso, para De Bruyne, pode valer uma Premiership. O sexto desde sua chegada ao Etihad Stadium no verão de 2015. Após o tempo de jogo, Guardiola teve que substituí-lo após forte golpe causado por Pape Sarr. Temos que cuidar dele na última rodada contra o West Ham.

Ortega foi o herói… na noite de Ederson

Esta seria uma noite especial na carreira de Ederson Moraes. Cumprido 250 festas vestindo a camisa do Manchester City na Premier League e, além disso, continuou fazendo méritos para se firmar na história da competição. E é isso, Em seus primeiros 250 jogos, apenas Petr Cech (127) e Pepe Reina mantiveram mais jogos sem sofrer golos do que o goleiro brasileiro (112). Hoje somou o número 113 com três defesas (duas de dentro da área) de grande mérito… antes de ser substituído aos 70 minutos após um confronto espetacular com ‘Cuti’ Romero.

Stefan Ortega durante a partida contra o TottenhamX

Resignado e muito zangado, Ele saiu do campo para apresentar o inesperado herói da noite: Stefan Ortega. Aos 20′ ele teve que fazer as mesmas paradas de Ederson durante toda a partida. O mais importante, a cinco minutos do final, num mano-a-mano com Heung-Min Son que fez lembrar o de Robben com Casillas. Foi o empate que permitiu ao Arsenal sonhar com o título. O alemão ficou esperando o sul-coreano mostrar o chute e conseguiu parar a bola. Guardiola não acreditou e caiu de bunda! Um herói inesperado… que poderia ter dado ao City outra Premier League no ‘inferno’.



Fuente