pessoas seguram bandeiras palestinas em um protesto

Vários foram presos enquanto tentavam marchar no Brooklyn para protestar contra a guerra de Gaza e a limpeza étnica dos palestinos em 1948.

A polícia espancou e prendeu vários manifestantes num protesto pró-Palestina no Brooklyn, em Nova Iorque, na mais recente repressão às vozes que se manifestam contra a guerra em Gaza, nos Estados Unidos.

Os manifestantes reuniram-se no sábado no bairro de Bay Ridge, no sudoeste do Brooklyn, lar de uma grande comunidade muçulmana, incluindo pessoas de origem palestina e iemenita.

O protesto pacífico contra marque a Nakba – a limpeza étnica de centenas de milhares de palestinianos em 1948 – prolongou-se durante várias horas no meio de uma forte presença policial, com agentes a tentar impedir uma marcha.

“Os manifestantes começaram a marchar nas ruas e, pouco depois, o Departamento de Polícia de Nova Iorque veio de uma rua lateral e começou a agarrar pessoas aleatoriamente”, disse Katie Smith, uma jornalista freelancer que estava no local, à Al Jazeera.

“Eles foram derrubados no chão e muitas vezes presos por vários policiais, que os espancaram, socando-os na parte superior do corpo e ao redor da cabeça. Houve várias ondas de prisões durante a marcha, que foi pacífica.”

Uma manifestação para marcar o 76º aniversário da Nakba no bairro do Brooklyn, em Nova York (John Lamparski/AFP)

Smith disse que a resposta da comunidade local foi de “indignação”, especialmente porque Bay Ridge tem visto marchas pró-Palestina há mais de uma década, mas nunca uma resposta policial tão brutal.

Fontes locais disseram que pelo menos uma dúzia de prisões foram feitas no sábado em uma multidão de centenas de pessoas. Vídeos do local mostraram a polícia arrastando os manifestantes enquanto as pessoas gritavam para que parassem, e uma fila de manifestantes algemados podia ser vista carregada em uma van.

O NYPD fez centenas de prisões em protestos exigindo o fim da guerra em Gaza, inclusive durante um ataque massivo no campus da Universidade de Columbia no início de maio.

No sábado, uma multidão de várias centenas de pessoas, incluindo vários manifestantes judeus, também protestou em Washington, DC, sob a chuva, para marcar o 76º aniversário da Nakba.

“Eles são palestinos-americanos e são apoiadores, vindo à capital do país, gritando ‘Palestina livre’ e acusando o presidente dos EUA, Joe Biden, de ser cúmplice do genocídio”, relatou Heidi Zhou Castro, da Al Jazeera, no local.

Mohamad Habehh, membro do grupo de direitos humanos Muçulmanos Americanos pela Palestina (AMP), disse que os membros da comunidade têm tentado educar as pessoas sobre o conflito Israel-Palestina.

“Vemos os cheques em branco que continuam indo para os militares israelenses”, disse ele à Al Jazeera.

No início deste mês, Biden interrompeu uma remessa de cerca de 3.500 bombas maciças contra Israel, quando os militares israelitas lançaram uma ofensiva terrestre em Rafah, no sul de Gaza – juntamente com outras áreas do enclave sitiado – apesar da terrível situação humanitária.

Mas Biden prometeu que os envios de armas para Israel não irão parar completamente e está a avançar com um novo pacote de mil milhões de dólares, incluindo obuses de tanques, apesar da crescente condenação internacional.

Fuente