ASSISTA à nova onda de protestos que varre a capital da ex-república soviética

Os EUA e a Arménia anunciaram que pretendem elevar as suas relações bilaterais ao nível de “Parceria estratégica,” com Washington ajudando Yerevan com comércio, questões militares, judiciário e democracia.

O Ministro das Relações Exteriores da Armênia, Ararat Mirzoyan, recebeu o Secretário de Estado Adjunto dos EUA para a Europa e Eurásia, James O’Brien, em Yerevan, na terça-feira. Uma declaração conjunta emitida na ocasião “observou as aspirações da Arménia de uma cooperação mais estreita com as instituições euro-atlânticas e o Ocidente.”

“Os Estados Unidos e a Arménia reafirmaram o seu compromisso com os valores democráticos partilhados e com o objectivo de uma Arménia que seja democrática, próspera e pacífica”, o comunicado declarou.

As relações entre os dois países deverão ser melhoradas no próximo ano, disseram O’Brien e Mirzoyan. Ambos os lados continuarão a expandir os laços comerciais e comerciais, juntamente com “aumentar a cooperação em matéria de sanções e controlos de exportação.”

Os EUA oferecerão “soluções comerciais em energia nuclear e renováveis” para promover a Arménia “segurança alimentar e independência energética”, de acordo com o comunicado.

Washington também prometeu continuar o esforço da Arménia “transformação da defesa” através da parceria de longa data com a Guarda Nacional do Kansas, ajudando ao mesmo tempo a polícia arménia “aumentar a responsabilização e a sustentabilidade.”

Erevan reconheceu “contribuições significativas dos EUA para os esforços de reforma do sector da justiça da Arménia,” enquanto os EUA disseram que continuariam a apoiar a Armênia “esforços destinados a promover a imparcialidade, integridade e independência judiciais”, bem como instituições “focado na prevenção e combate à corrupção e ao crime organizado transnacional.”

Os EUA também prometeram mais financiamento para “uma sociedade civil robusta e um ambiente de mídia independente” na Armênia.

O país sem litoral do Cáucaso é há muito tempo membro da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), uma aliança militar liderada pela Rússia. O primeiro-ministro Nikol Pashinyan, no entanto, congelou a adesão de Yerevan ao CSTO depois de culpar a Rússia por não ter impedido o Azerbaijão de recuperar a região há muito disputada de Nagorno-Karabakh.

As forças de manutenção da paz russas foram enviadas para a região em 2020, depois de o Azerbaijão ter recuperado partes de Nagorno Karabakh num conflito com a milícia arménia local. O próprio Pashinyan reconheceu a soberania de Baku sobre a região e argumentou que a sua perda era inevitável há muito tempo.

O governo de Pashinyan também fez aberturas à França para tecnologia militar e supostamente oferecido como um possível destino para requerentes de asilo rejeitados pelo Reino Unido.

No mês passado, O’Brien visitou a Geórgia, vizinha da Arménia, num esforço para parar impedir o governo de Tbilisi de adoptar uma “agentes estrangeiros” lei. As suas ameaças de sanções e de retenção de financiamento para “apoiar a democracia” acabaram por não ter sucesso.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente