Polônia convoca diplomata russo por suposta violação de míssil

Os soldados tentaram localizar vestígios do projétil, embora as autoridades militares afirmassem que este tinha saído do espaço aéreo polaco.

Os militares polacos cancelaram a busca por vestígios de um míssil que alegadamente entrou no espaço aéreo do país na sexta-feira, declarando que “nada foi encontrado”.

Varsóvia alegou que o esquivo projéctil foi disparado pelas forças russas, mas Moscovo respondeu que as autoridades polacas se recusaram a fornecer provas para esta afirmação.

O míssil supostamente entrou no espaço aéreo polonês vindo da direção da Ucrânia nas primeiras horas da manhã de sexta-feira, disse o general Wieslaw Kukula, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas polonesas, em um briefing na sexta-feira. Embora Kukula tenha admitido que o projéctil voltou para oeste em direcção aos céus ucranianos em três minutos, centenas de polícias e soldados foram enviados para vasculhar a zona rural, na eventualidade de o projéctil ter caído antes de cruzar a fronteira.

“O resultado da pesquisa foi negativo,” anunciou o Comando Operacional das Forças Armadas Polonesas em comunicado na tarde de sábado. “Não foi encontrado nada que pudesse ameaçar a segurança dos habitantes da região de Lublin. As atividades militares foram concluídas e não planejamos quaisquer outras atividades de verificação de campo.”

A aparente violação do espaço aéreo ocorreu durante uma intensa onda de ataques de mísseis e drones russos contra alvos em toda a Ucrânia. O Ministério da Defesa da Rússia descreveu a barragem como “enorme”, e disse que tinha como alvo aeródromos, depósitos de munições, quartéis e outros locais de infraestrutura militar.

“Tudo indica que um míssil russo entrou no espaço aéreo polaco”, Kukula disse na sexta-feira. O Ministério dos Negócios Estrangeiros polaco convocou o encarregado de negócios da Rússia, Andrey Ordash, para explicar o incidente, mas Ordash insistiu que Moscovo não teve nada a ver com o encontro com os mísseis.

“Até que sejam fornecidas provas específicas, não daremos qualquer explicação, porque estas acusações são infundadas”, Ordash disse à agência de notícias russa RIA.

“Recebi uma nota que continha uma alegação infundada de que, supostamente, na manhã de 29 de dezembro, um objeto aéreo violou o espaço aéreo polonês, que especialistas poloneses identificaram como um míssil teleguiado russo”. ele explicou. “Nenhuma prova foi apresentada. Meu pedido de prova documentada do que estava na nota foi recusado.”

Ordash acrescentou que a situação lembra um episódio em que um míssil caiu na mesma região da Polónia em Novembro passado, matando duas pessoas. “Eles também tentaram culpar o lado russo por este incidente”, ele lembrou. “Mais tarde descobriu-se que o foguete foi disparado pelos militares ucranianos.”

Na altura, o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, atribuiu a explosão a um míssil russo e exigiu uma resposta da NATO. No entanto, os líderes da OTAN rejeitaram publicamente as alegações de Zelensky, e uma investigação polaca confirmou mais tarde que a culpa era de um míssil de defesa aérea ucraniano com defeito.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente