Os restos de um míssil que a Rússia disparou contra Kharkiv e que as autoridades suspeitam ter sido fornecido pela Coreia do Norte

Os ministros dos Negócios Estrangeiros de quase 50 países dizem que tais atividades violam as sanções da ONU à Coreia do Norte.

Dezenas de países juntaram-se à Ucrânia, ao Reino Unido e aos Estados Unidos na condenação de alegadas transferências de mísseis balísticos entre a Coreia do Norte e a Rússia, que, segundo eles, violavam as sanções das Nações Unidas.

Numa declaração conjunta, o chefe da política externa da União Europeia, Josep Borrell, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e os ministros dos Negócios Estrangeiros de cerca de 47 países, incluindo Argentina, Austrália, Guatemala, Japão e Coreia do Sul, condenaram as alegadas transferências de armas nos “termos mais fortes possíveis”. ”, dizendo que as armas foram usadas contra a Ucrânia em 30 de dezembro e 2 de janeiro.

“A transferência destas armas aumenta o sofrimento do povo ucraniano, apoia a guerra de agressão da Rússia e mina o regime global de não proliferação”, afirmou a declaração de quarta-feira, observando que tal cooperação também forneceria conhecimentos técnicos e militares à Coreia do Norte.

“Estamos profundamente preocupados com as implicações de segurança que esta cooperação tem na Europa, na Península Coreana, em toda a região Indo-Pacífico e em todo o mundo”, afirmou.

Restos de um suposto míssil norte-coreano que foi disparado contra Kharkiv na semana passada (Sergey Bobok/AFP)

Num comunicado anterior, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, John Kirby, disse que a Rússia usou desde então mais armas norte-coreanas na Ucrânia, incluindo uma que aterrou em Kharkiv, a segunda maior cidade do país.

Os EUA e os seus aliados planeiam levantar a questão junto do Conselho de Segurança da ONU (CSNU) na quarta-feira, acrescentou.

A declaração acrescenta que a aquisição e fornecimento de armas entre Pyongyang e Moscovo viola múltiplas resoluções do Conselho de Segurança da ONU impostas a partir de 2006 em resposta ao programa de armas nucleares da Coreia do Norte.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, recusou-se a comentar quando questionado sobre as supostas transferências de armas.

‘Mais hostil’

Já em 2022 surgiram relatórios de que a Rússia planeava comprar armas à Coreia do Norte para utilizar na invasão da Ucrânia.

Em Agosto do ano passado, a enviada dos EUA às Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, disse à organização que Moscovo estava a negociar “acordos potenciais para quantidades significativas e múltiplos tipos de munições”.

A especulação intensificou-se quando os dois líderes dos países realizaram uma cimeira no mês seguinte no Cosmódromo Vostochny, o centro de lançamento de satélites mais importante da Rússia.

Durante cerca de cinco horas, Vladimir Putin mostrou a Kim Jong Un o local no leste da Rússia e disse que Moscou ajudaria Pyongyang a construir satélites. Kim prometeu apoio ao que ele disse ser “da Rússia”.apenas lute”, num comentário que foi visto como uma referência à Ucrânia.

Mais tarde, Kim visitou fábricas de armas russas e viu o mais recente equipamento militar do país.

Apenas dois meses depois, a Coreia do Norte anunciou o lançamento bem sucedido do seu primeiro satélite espião militar, após o fracasso de duas tentativas anteriores, em Maio e Agosto. Ele disse que planeja lançar mais três este ano.

A Agência Central de Notícias Coreana (KCNA), estatal da Coreia do Norte, informou na terça-feira que Kim visitou esta semana fábricas de armas, onde enfatizou a “importância estratégica da produção de armas importantes”.

Kim também disse que chegou a hora de definir a Coreia do Sul como um estado “mais hostil” em relação ao seu país, de acordo com a KCNA.

Ele acusou Seul de incitar o confronto e o aumento de armas, ao mesmo tempo que instou o seu país a intensificar as suas capacidades militares de autodefesa e de dissuasão da guerra nuclear. Ele descreveu o agravamento das relações na península dividida como uma “nova fase de mudança” e uma “realidade inevitável”.

Fuente