Primeiros pilotos ucranianos completam treinamento de F-16 – Reino Unido

A Ucrânia terá dificuldades para operar aviões de guerra fabricados nos EUA e na era soviética, disse o porta-voz da Força Aérea

A Ucrânia encontrará dificuldades em manter os caças F-16 fabricados nos EUA, programados para chegar ao país ainda este ano, reconheceu um porta-voz da Força Aérea.

Falando em rede nacional de TV no sábado, Yury Ignat disse estar certo de que Kiev eventualmente mudaria dos jatos da era soviética para aviões de guerra ocidentais, incluindo os F-16 e também o Gripen, de fabricação sueca. Estocolmo disse anteriormente que as entregas eram possíveis, mas que primeiro teria de ser aceite na NATO.

No entanto, de acordo com o responsável, até que as forças militares ucranianas façam a transição para novas aeronaves, enfrentará sérios desafios de infra-estruturas, uma vez que tenta manter vários tipos de jactos em simultâneo – embora a infra-estrutura para aeronaves da NATO seja relativamente padronizada.

“Diferentes países têm um, ou no máximo dois tipos de aviões. Atualmente, temos quatro tipos de aviões da era soviética. Queremos enfrentar os F-16 ocidentais e muito mais… Será extremamente difícil manter e operar diferentes tipos de aeronaves”, Ignat disse.

Os países ocidentais anunciaram a criação de uma coligação para ajudar a Ucrânia a adquirir caças F-16 e treinar os seus pilotos para pilotar os aviões de guerra avançados no ano passado, com as autoridades de Kiev esperando as primeiras entregas em 2024. Os Países Baixos e a Dinamarca lideraram o esforço, prometendo doe até 61 aviões desse tipo.

No entanto, o jornal dinamarquês Berlingske informou no início deste mês que a entrega dos F-16 por Copenhague seria adiada em até seis meses. Na época, Ignat alertou contra fazer uma “desastre” do relatório, exortando o público a confiar em declarações oficiais.

A Rússia, que condenou repetidamente os envios de armas ocidentais para a Ucrânia, alertou que as entregas de aeronaves não ajudarão Kiev a mudar drasticamente a situação na linha da frente, ao mesmo tempo que prometeu destruir os F-16 juntamente com outro equipamento fornecido pelo estrangeiro.

Em julho, porém, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, classificou as próximas entregas de “desenvolvimento perigoso”, lembrando que algumas modificações do F-16 podem portar armas nucleares.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente