Consequências do bombardeio russo em Kharkiv-1706525472

Carcóvia, Ucrânia – Como um enorme bisturi saído de um filme de terror surreal, um míssil russo destruiu uma seção inteira de um prédio de apartamentos de cinco andares, matando 10 pessoas e ferindo 60.

Depois de apagar o incêndio no ataque antes do amanhecer da semana passada, as equipes de resgate encontraram as vítimas enterradas nos escombros que costumavam ser as paredes, tetos e móveis de seus apartamentos.

“Nós desenterramos um cara, vivo, mas sua família – uma esposa e uma filha de oito anos – estavam mortas”, disse à Al Jazeera um dos angustiados socorristas, com as mãos e o uniforme preto por causa da fuligem e da poeira. na quarta-feira.

O ataque atingiu o Edifício 7 na Rua Proskury, no norte de Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, que fica a apenas 40 km (25 milhas) da fronteira com a Rússia.

Autoridades ucranianas disseram que Kharkiv foi alvo de 15 mísseis russos de três tipos, em um dos maiores ataques à cidade desde o início da guerra, há 23 meses.

Havia mísseis S-300 remodelados, partes de sistemas de defesa aérea que interceptam e destroem outros mísseis no ar, e mísseis hipersônicos X-22 projetados para destruir navios de guerra.

As maiores e mais letais armas eram os Iskanders, monstros de 7 metros de comprimento que custam 3 milhões de dólares, pesam quase 4 toneladas e transportam até 480 kg (1.058 libras) de explosivos – ou uma ogiva nuclear.

Ucranianos em Kharkiv evitam cacos de vidro e correm para sobreviver quando a Rússia intensifica os bombardeios (Mansur Mirovalev/Al Jazeera)

As autoridades ucranianas ainda não especificaram que tipo de míssil atingiu o Edifício 7, mas um especialista militar disse que a Rússia “muito provavelmente” usou um míssil S-300.

“Eles não são precisos, trata-se de uma pressão moral e psicológica para destruir ainda mais a cidade”, disse o tenente-general Ihor Romanenko, ex-vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Ucrânia, à Al Jazeera.

“Kharkiv é a prioridade deles, porque (o presidente Vladimir) Putin não consegue perdoar o facto de uma cidade de língua russa não querer tornar-se parte do mundo russo”, disse ele.

Moscovo habitualmente nega ter como alvo civis.

A Rússia “não atinge infra-estruturas civis e áreas residenciais, ao contrário do regime de Kiev”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

A agência de notícias Itar Tass informou que a Rússia desferiu “ataques precisos nos quartéis dos mercenários”.

Atingindo Carcóvia

A cidade com uma população pré-guerra de 1,5 milhões de habitantes é o centro urbano mais vulnerável da Ucrânia.

A Rússia fica ao norte e a leste, e a fronteira da região de Luhansk, anexada a Moscou, fica a cerca de 150 km (90 milhas) a sudeste.

Quase 5.000 janelas em 222 edifícios foram quebradas pelas explosões e ondas de choque em toda a região em 23 de janeiro, disseram autoridades.

No Edifício 7, os trabalhadores comunitários, trabalhando de forma rápida e eficiente, arrancaram cacos de vidro afiados e cobriram cada buraco com retângulos amarelos de madeira em forma de favo de mel para manter o frio cortante afastado.

Eles verificaram cada apartamento em busca de vazamentos de gás natural, consertaram portas de entrada danificadas e começaram a remover tijolos que a explosão quebrou ao meio, pedaços de vidro, plástico e outros detritos.

Estava tudo normal, à beira da exaustão.

“Seus salários são de 5.400 hryvnia (US$ 145) por mês, mas a quantidade de trabalho é colossal – coletar tudo, carregar (em caminhões) e levar embora”, disse a chefe distrital de serviços comunitários, Vera Fyodorovna, à Al Jazeera.

Duas escavadeiras procuravam os destroços perto do Edifício 7, a apenas 30 metros (cerca de 100 pés) de onde outra bomba russa caiu em abril de 2022.

Desde o primeiro dia da invasão em grande escala, as forças russas tentaram tomar Kharkiv, despachando veículos armados quase para o centro da cidade.

Moscou implantou bombardeiros estratégicos, mísseis balísticos ou de cruzeiro e drones de fabricação iraniana ou russa que levam apenas alguns minutos para chegar à cidade do outro lado da fronteira.

Ao contrário da capital, Kiev, que recebeu sistemas avançados de defesa aérea ocidentais em poucos meses, Kharkiv permanece quase indefesa.

Os residentes e as autoridades tiveram de se adaptar rapidamente, pois quaisquer atrasos significam vidas perdidas.

O sistema de metrô da cidade serviu como abrigo antiaéreo 24 horas por dia, 7 dias por semana – e algumas estações ocasionalmente se tornaram salas de aula para crianças em idade escolar que aguardavam os ataques aéreos.

O sistema de metrô de Kharkiv serve como abrigo antiaéreo-1706525476
O sistema de metrô de Kharkiv serviu por muito tempo como abrigo antiaéreo (Mansur Mirovalev/Al Jazeera)

Reuniões públicas, exposições em museus e até aulas em centros comunitários foram proibidas.

Academias e piscinas avisam seus clientes sobre cada ataque aéreo, mas deixam que eles decidam se querem sair ou ficar.

Os ousados ​​ataques ucranianos com mísseis e drones forçaram Moscovo a realocar os bombardeiros estratégicos para campos de aviação a centenas de quilómetros de distância da fronteira.

Já não atravessam o espaço aéreo ucraniano, mas a sua velocidade dá um impulso adicional aos mísseis que lançam.

Cada vez que os satélites detectam a sua decolagem, os residentes de Kharkiv recebem avisos e informações sobre possíveis trajetórias através dos canais Telegram ou Viber.

As antigas sirenes de ataque aéreo também começam a uivar – mas muitos residentes estão tão habituados ao seu som agudo que simplesmente não acordam.

É por isso que Tamara Karnaukhova só acordou quando a porta da varanda caiu em sua cama.

Tamara Karnaukhova está em sua cozinha danificada por bombardeios russos-1706525486
Tamara Karnaukhova, aposentada, fotografada em sua cozinha danificada (Mansur Mirovalev/Al Jazeera)

A aposentada de 76 anos não sabia se deveria ficar em seu modesto apartamento de um quarto no Prédio 7 ou fugir.

A onda de choque destruiu a maioria das janelas e danificou a porta da frente.

“Eu não estava com medo, estava confusa”, disse ela à Al Jazeera.

Após a explosão, ela desceu correndo enquanto a fumaça saía das janelas quebradas e os vidros rachavam sob seus pés.

Enquanto ela estava na casa do vizinho, saqueadores entraram furtivamente em seu apartamento, vasculhando a cozinha, mas não levando nenhum objeto de valor.

Karnaukhova ainda não consegue compreender por que a Rússia invadiu.

“Eles precisam de terra? Recursos?” ela se perguntou em voz alta. “Eles já têm tudo.”

‘Conta perdida’

Quando a guerra começou, Valerii Ivakhno juntou-se a um grupo de voluntários que viajava numa minivan e distribuía bebidas quentes, lanches e mingaus às vítimas dos bombardeamentos.

O apartamento de sua mãe, de 85 anos, no centro de Kharkiv, foi fortemente danificado em 2022, e ele gastou todas as suas economias para renová-lo.

Mas na manhã de terça-feira, as janelas novas foram quebradas.

Felizmente, sua mãe conhecia a regra “estar entre duas paredes” e correu para o corredor segundos antes que os cacos de vidro cobrissem sua cama.

Ivakhno disse que está feliz por seu pai não ter vivido para ver a invasão. Ele foi enterrado em 23 de fevereiro de 2022, um dia antes de seu início.

“Querido Deus, levou-o embora para que ele não visse esta vergonha e horror”, disse Ivakhno enquanto deitava papas de aveia num copo de papel e o entregava a uma equipa de resgate no centro de Kharkiv.

Cada visita a outro local bombardeado é um pesadelo recorrente para sua equipe.

“Já perdi a conta de quantas vezes fizemos isso, de quantas pessoas ajudamos”, disse sua colega Svtlana Stetsenko, ao lado de um prédio histórico de uma faculdade de direito danificado pelo ataque de terça-feira e pelo incêndio resultante.

A rua onde estavam recebeu o nome de Alexander Pushkin, o poeta mais célebre da Rússia do século XIX, cujo culto é visto pela maioria dos ucranianos como “imperialismo cultural”.

Naquele mesmo dia do ataque, as autoridades de Kharkiv decidiram renomear a rua e a estação de metrô próxima em homenagem ao filósofo e educador ucraniano Hrigory Skovoroda.

A voluntária Svitlana Stetsenko entrega uma xícara de mingau a um funcionário de emergência próximo a um prédio no centro de Kharkiv destruído por mísseis russos- 1706525721
A voluntária Svtlana Stetsenko entrega uma xícara de mingau a um trabalhador de emergência em Kharkiv (Mansur Mirovalev/Al Jazeera)

Fuente