China sanciona empresas de defesa dos EUA

Espiões dos EUA questionam a capacidade da China de travar uma guerra devido à suposta corrupção nas forças armadas, informou a agência

A inteligência dos EUA acredita que a demissão de várias figuras militares chinesas de alto escalão antes do Ano Novo estava ligada à corrupção generalizada no Exército de Libertação Popular (ELP), informou a Bloomberg, citando pessoas familiarizadas com as avaliações.

O problema é o mais urgente dentro da Força de Foguetes da China, na qual foram feitos grandes investimentos nos últimos anos, disse a agência num artigo no sábado. Citou vários exemplos de corrupção dentro do ELP, com base em avaliações americanas.

Entre outras coisas, as fontes da Bloomberg mencionaram a China “mísseis cheios de água em vez de combustível” e campos de resíduos de silos de mísseis no oeste da China, com tampas defeituosas que não permitem o lançamento eficaz das munições.

Segundo as fontes, a corrupção dentro da força de foguetes e da base industrial de defesa é tão desenfreada que as autoridades dos EUA consideram agora o presidente chinês, Xi Jinping, um “é menos provável que contemple uma acção militar importante nos próximos anos do que teria sido o caso de outra forma.”

Washington sugere que a corrupção levou a uma erosão da confiança nas capacidades globais do ELP em Pequim, e também atrasou alguns dos planos de Xi de transformar os militares chineses numa força moderna até 2027, disseram as fontes.

No entanto, as avaliações sublinham que o líder chinês “não foi enfraquecido pelo expurgo crescente.” A decisão de Xi de demitir altos dirigentes militares “mostra que seu domínio sobre o Partido Comunista permanece firme e que ele leva a sério a melhoria da disciplina, a eliminação da corrupção e, em última análise, a preparação dos militares da China para o combate no longo prazo”, o relatório lido.

A Bloomberg sublinhou que as avaliações dos EUA não poderiam ser verificadas de forma independente. O Ministério da Defesa chinês ou as autoridades civis ainda não comentaram o relatório.

No final de dezembro, Pequim anunciou a demissão de nove figuras militares, cinco das quais estavam ligadas à força de foguetes, do mais alto órgão legislativo da China, o Congresso Nacional do Povo (APN). Pouco antes disso, três altos funcionários encarregados da produção de mísseis no país perderam os seus empregos.

Houve outras mudanças de grande visibilidade no seio das forças armadas nos últimos meses, incluindo a demissão do ministro da Defesa chinês, Li Shangfu, no final de Outubro, em meio a relatos do seu envolvimento num escândalo de corrupção.

No domingo, a China colocou na lista negra cinco empresas americanas da indústria de defesa em resposta a “ações gravemente erradas tomadas pelos EUA”, que, segundo Pequim, incluía a continuação das vendas de armas por Washington a Taiwan e sanções dos EUA às empresas chinesas.

As autoridades chinesas alegaram repetidamente que os EUA estão a interferir nos assuntos internos do país ao manter contactos com Taiwan, uma ilha autónoma, vista por Pequim como parte do seu território. Em novembro, um porta-voz do governo chinês alertou Taipei que “A independência de Taiwan significa guerra.” O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu no ano passado que Washington defenderia a ilha em caso de conflito com Pequim.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente