INTERACTIVE_Jornalistas_mortos_Gaza_Jan_12

Dahdouh foi ferido em um ataque israelense em dezembro que matou Samer Abudaqa, cinegrafista da Al Jazeera.

O chefe do escritório da Al Jazeera em Gaza, Wael Dahdouh, está no Catar para tratamento médico depois de ser ferido em um ataque israelense enquanto fazia uma reportagem sobre o conflito.

Dahdouh – que tem sido o rosto da cobertura da Al Jazeera Árabe sobre a guerra de Israel em Gaza – chegou à capital do Catar, Doha, na noite de terça-feira, via Egito.

Ele foi ferido em um ataque de drone israelense em dezembro, no qual o cinegrafista da Al Jazeera Árabe Samir Abudaqa foi morto enquanto faziam reportagens no sul de Gaza.

Dahdouh, que deixou o enclave sitiado pela primeira vez desde o atual Conflito israelo-palestiniano começou em outubro, perdeu o esposa Amna, filho Mahmoud, filha Sham e neto Adam em Outubro, depois de um ataque aéreo israelita ter atingido a casa onde estavam abrigados no campo de refugiados de Nuseirat, depois de terem sido deslocados da sua casa na Cidade de Gaza.

No início deste mês o filho mais velho do jornalista veterano de 53 anos Hamzatambém jornalista da Al Jazeera, foi morto por um ataque de mísseis israelense em Khan Younis, no sul de Gaza.

Apesar da sua imensa perda pessoal, Dahdouh confortou a sua família, amigos e colegas e continuou a recorrer às câmaras para relatar com firmeza a situação catastrófica em Gaza.

“O custo é muito alto, mas no final das contas nos perguntamos: ‘Qual é a outra opção?’”, disse ele à emissora norte-americana NBC em entrevista no domingo.

“Ficamos sentados em nossas casas, esperando que os mísseis pousem. Deixar este trabalho, desistir desta mensagem humanitária que entregamos? Definitivamente, esta não é uma opção”, disse Dahdouh.

Ao colocar Hamza para descansar, ele observou que era um dos muitos em Gaza se despedindo de seus entes queridos e prometeu permanecer no caminho de mostrar ao mundo o que está acontecendo em Gaza.

A Al Jazeera Media Network condenou veementemente o ataque que matou Hamza, bem como Mustafa Thuraya, outro jornalista da rede. A lista de jornalistas e funcionários da Al Jazeera que morreram ou perderam membros das suas famílias tem aumentado.

Quase 100 jornalistas foram mortos em Gaza desde Outubro. Dados do Comité para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) mostram que foram mortos mais jornalistas nas primeiras 10 semanas do conflito do que alguma vez num único país durante um ano inteiro.



Fuente