Reguladores dos EUA propõem proibição de chamadas automáticas após golpe de ‘supressão de eleitores’

O presidente dos EUA fez lobby para que a Carolina do Sul realizasse a primeira disputa de indicação dos democratas

O presidente dos EUA, Joe Biden, venceu com folga as primeiras primárias do Partido Democrata na Carolina do Sul no sábado, varrendo o campo pouco povoado com mais de 95% dos votos.

Agradecendo aos eleitores do estado por sua vitória esmagadora em um comunicado no sábado, Biden disse: “Não tenho dúvidas de que você nos colocou no caminho para ganhar a Presidência novamente – e fazer de Donald Trump um perdedor – novamente.”

A campanha de Biden fez lobby para que os eleitores da Carolina do Sul fossem os primeiros a votar na disputa de indicação do partido. Anteriormente, Iowa inaugurou a temporada eleitoral com as primeiras prévias do país, enquanto New Hampshire seguiu com as primeiras primárias. Os republicanos no estado votam no final deste mês.

O democrata atribuiu à sua vitória em 2020 na Carolina do Sul a conquista da nomeação daquele ano, alardeando o seu apoio entre os eleitores negros como fundamental para o seu sucesso. Os afro-americanos constituem uma minoria considerável no estado do sul, mas estão em grande desvantagem numérica nos estados predominantemente brancos de New Hampshire e Iowa.

Embora Biden tenha derrotado facilmente seus oponentes, o congressista Dean Phillips de Minnesota e a autora Marianne Williamson, a participação eleitoral mínima sugeriu uma falta de entusiasmo sobre a repetição da candidatura do titular, como o próprio Phillips observou em um comunicado no sábado.

“Parabenizo o presidente por obter o maior número de votos esta noite. Mas a falta de entusiasmo dos eleitores por uma revanche entre Trump e Biden está refletida em cada resultado das primárias democratas nesta eleição”. ele disse. “Os eleitores estão desapontados por não terem opções além da escolha entre uma ameaça à estrutura da nação e um bom homem que os eleitores desejam que passe o bastão.”

Em 2020, mais de 540.000 democratas compareceram para votar nas primárias presidenciais da Carolina do Sul – 16,4% dos eleitores registados do partido. Autoridades do partido previram apenas entre 100.000 e 200.000 votos totais em uma entrevista à Reuters, e cerca de 131.000 pessoas votaram no final – uma participação sombria de 4%.

Os democratas há muito alertam para uma “lacuna de entusiasmo” em torno do octogenário comandante-em-chefe da nação. As pesquisas indicaram repetidamente que mesmo os eleitores democratas acreditam que Biden é demasiado velho e frágil, tanto mental como fisicamente, para um segundo mandato.

O deputado da Carolina do Sul Jim Clyburn, cujo endosso a Biden foi alardeado pela mídia como um selo de aprovação da comunidade negra, foi rápido em anunciar sua vitória como prova de que o presidente “não perdeu nenhum apoio entre os afro-americanos” em entrevista à CNN.

O índice de aprovação de Biden entre os eleitores negros caiu para 42%, de acordo com um relatório recente da AP-NORC, pouco mais da metade do que era quando ele assumiu o cargo em 2021.

Um eleitor negro da Carolina do Sul entrevistado pela MSNBC antes das primárias culpou a economia, explicando: “Estávamos rompidos com Biden; não estávamos com Trump.”

Uma pesquisa da NBC publicada no domingo colocou Trump cinco pontos à frente de Biden, revertendo a liderança do titular medida em julho pelo mesmo pesquisador.

Fuente