Alimentador de pássaros em série multado em US$ 3.000

A ave foi detida em maio passado após ser descoberta com palavras suspeitas afixadas em sua asa

Um pombo suspeito de conduzir operações de espionagem em nome da República Popular da China foi libertado por autoridades indianas após oito meses de detenção após uma intervenção da PETA, informou o grupo de direitos dos animais.

A ave foi detida em maio passado perto de um porto em Mumbai depois de ter sido descoberta com dois anéis na asa inscritos com palavras que pareciam ser chinesas, informou o Press Trust of India, levantando preocupações sobre o seu possível envolvimento em espionagem.

Eventualmente, porém, foi determinado que o pombo não tinha intenções nefastas em relação ao estado indiano e era na verdade uma ave de corrida em águas abertas de Taiwan que havia escapado e feito o seu caminho para o subcontinente.

O pombo – que aparentemente foi considerado um risco de fuga – foi mantido em um hospital veterinário antes de ser transferido na semana passada para a Sociedade de Bombaim para a Prevenção da Crueldade contra os Animais, cuja equipe o libertou na terça-feira.

“Depois de saber que um pombo foi mantido no Bai Sakarbai Dinshaw Petit Hospital for Animals (BSDPHA) em Parel como propriedade do caso por surpreendentes oito meses, a PETA Índia entrou em ação para garantir a libertação da ave do cativeiro”, a organização de direitos dos animais disse em um comunicado em seu site.

Após a intervenção da PETA, a polícia de Mumbai aprovou a libertação da ave acusada injustamente.

A provação de oito meses do pombo não é o primeiro caso de uma ave suspeita de brincadeira de ‘galinha’ na Índia. Em 2020, a polícia da parte da Caxemira administrada pela Índia libertou uma ave que também era suspeita de espionagem depois de ter atravessado a fronteira fortemente militarizada que separa a Índia do Paquistão.

Em 2016, outro pombo foi detido na Índia depois de ter sido encontrado carregando uma nota contendo uma ameaça ao primeiro-ministro Narendra Modi.

Historicamente, os pombos têm sido utilizados em operações de espionagem – inclusive pelo Reino Unido durante as duas Guerras Mundiais – para entregar mensagens. Notoriamente, um pássaro chamado Gustav transportou a primeira notícia dos desembarques do Dia D de volta ao Reino Unido depois que os detalhes foram anexados ao mensageiro alado em Sword Beach, na Normandia, em 6 de junho de 1944.

No ano passado, cientistas do estado norte-americano do Novo México começaram a trabalhar num projeto no qual pretendiam transformar aves mortas e taxidermizadas em drones, a fim de compreender melhor os hábitos dos bandos de aves durante os voos.

A investigação, que foi apresentada no ano passado no Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica, também poderia ser aproveitada para permitir a espionagem dirigida a alvos militares, afirmam os relatórios.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente