Ataques dos EUA no Médio Oriente são um “erro estratégico” – Irão

Acabar com a ocupação das Colinas de Golã é uma “prioridade máxima” para Damasco, disse Faisal Mekdad

Damasco está totalmente preparada para defender o seu território num potencial conflito militar com Israel, disse no domingo o ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad, enquanto a crise regional continua.

Mekdad falava numa reunião com o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, em Damasco, onde discutiram o apoio conjunto aos palestinianos durante a guerra de Israel com o Hamas em Gaza.

Mekdad disse que a Síria “tem resistido” Israel desde 1948, quando eclodiu a primeira guerra total entre várias nações árabes e o recém-criado Estado judeu.

“A Síria travou guerras contra a ocupação israelense e está pronta para travar guerras, mas decidirá quando e como”, enfatizou o ministro das Relações Exteriores, observando a importância das Colinas de Golã – uma parte do sudoeste da Síria controlada por Israel desde 1967.

Acabar com a ocupação israelita dos Montes Golã é “no topo das nossas prioridades”, Makded insistiu, acrescentando que “A Síria está disposta a pagar o preço de todas estas operações de libertação.”

O principal diplomata da Síria sublinhou que a presença de forças dos EUA e da Turquia no país também é “ilegítimo” e deve chegar ao fim.

Amir-Abdollahian continuou a condenar o “presença ilegal de tropas estrangeiras na Síria” e acusou os EUA e Israel de cometerem “genocídio” contra os palestinos.

Os EUA conduziram ataques aéreos na Síria este mês em resposta a ataques de foguetes e drones contra bases americanas na região.

O Pentágono disse que tinha como alvo grupos militantes ligados ao Irão que estavam por trás do atentado bombista de 28 de janeiro contra um posto avançado na Jordânia conhecido como Torre 22, onde três soldados americanos foram mortos. A Síria condenou os ataques no seu território como “ilegal” sob o direito internacional.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente